Mestre Homem Cardoso

Fotógrafo

Nasceu em S. Pedro do Sul, em 1945. Dez anos depois ruma a Lisboa onde tem o primeiro contato com a fotografia pela mão do ator Americano Edie Constantine aos 14 anos, quando é figurante do filme Edie em Lisboa e conquista, nessa data, a sua primeira câmara fotográfica, uma Voigtlander Vito B com telémetro Medis acoplado, generosidade do ator na sua despedida de Portugal.

Seguem-se alguns anos de fotografia “vadia” entre bares e casas de fado e a publicação dos primeiros trabalhos na imprensa, (cenas de rua ) nomeadamente no Diário de Noticias e Diário Popular.

Por volta dos 17 anos monta o seu primeiro laboratório na Quinta de S. Vicente onde fica como fotógrafo residente, e aonde conhece diversas personalidades com quem estabelece relações de amizade para toda a vida.

Integrado no Exercito em 1966, concluiu aí o curso de operador de fotografia e cinema com altas classificações, e cumpre todo o serviço militar (até 1969) nesta especialidade.

Em 1968 conhece Mestre Augusto Cabrita – a pessoa que mais amou na vida aparte a sua família mais chegada – que influencia extraordinariamente a sua carreira e o convida para a realização em coautoria de diversos trabalhos, entre os quais o livro “Cozinha Tradicional Portuguesa” atualmente com mais de seiscentos mil exemplares vendidos e traduzido para diversas línguas.

Ao serviço da revista “Observador” realizou grandes reportagens em Africa.

No início dos anos setenta monta o seu estúdio da Lapa, em Lisboa, onde começa uma atividade vertiginosa de fotógrafo de publicidade, de moda e de editorial.

A partir de 1974 com a restauração da democracia, e até a atualidade, participa como autor de retratos em muitas das campanhas politicas feitas em Portugal.

Em 1980 começa uma parceria com o Arq. Hélder Carita de defesa e mostra do património cultural português com a publicação de diversos livros entre os quais o “Tratado da Grandeza dos Jardins em Portugal” referenciado como livro de arte excepcional pela revista francesa Vogue.

Algumas participações como ator em novelas e filmes como p.e. “O Fio do Horizonte”de Fernando Lopes, onde contracena com Claude Brasseur.

Tem cerca de cem livros publicados, e alguns no prelo.

Realizou imagens para discos fonográficos para, entre outros , Trovante, Madre Deus, Rui Veloso, José Cid, Marco Paulo, Frei Hermano da Câmara , etc

Foi diretor das revistas Foto e Super Foto Pratica no primeiro ano do seu lançamento, e foi diretor de fotografia de diversas publicações de índole generalista.

Escreveu textos de paixão sobre diversas personalidades com quem manteve relações excepcionais como p.e. Amália Rodrigues.

É autor das fotografias oficiais de muitos “Primeiros” e Chefes de Estado, e de algumas personalidades do mundo.

É autor de coleções filatélicas sobre gastronomia e arquitetura tradicional portuguesa.

É fotógrafo oficial da Casa Real Portuguesa.

Nunca concorreu a qualquer concurso fotográfico, sendo que, os prémios obtidos foram atribuídos ao seu trabalho sem qualquer participação própria.

Trabalha há 35 anos com Maria João de Moraes Palmeiro, responsável pela produção e pós-produção de todas as suas imagens.